Aviso: se estiver com preguiça de ler, pule para o final da página! Há vários vídeos bacanas sobre o assunto ;)

A meditação Vipassana

Vipassana significa "a observação da realidade dentro de si próprio" ou simplesmente "ver as coisas como realmente são". Constitui uma técnica de meditação baseada no Dhamma (os ensinamentos de Buda, não sectários), com ênfase nos conceitos de sofrimento, impermanência e equanimidade. Nas últimas décadas passou a ser ensinada como uma disciplina sem conotação religiosa que remete mais à vida mundana que ao conceito budista de libertação/iluminação. Cabe ao meditador, portanto, escolher se deseja seguir o caminho original de fé e compreensão budistas ou não.

 

A meditação Vipassana pode ser desenvolvida por vários métodos, como os das escolas de Mahasi Sayadaw (concentração no momento presente e observação de fenômenos), Pa Auk Sayadaw (observação dos quatro elementos por meio de sensações), Ajahn Chah (Tradição Tailandesa das florestas, que influenciou o movimento moderno de meditação) e S.N. Goenka, a qual será explicada em maior detalhe.

 

Na meditação ensinada por S.N. Goenka o foco reside nas nossas próprias sensações físicas, as quais devem ser observadas sistematica e imparcialmente. Essa observação revela toda a realidade da mente e do corpo.

"

Por que sensações? Primeiro, porque é pelas sensações que experimentamos a realidade diretamente. A não ser que alguma coisa entre em contato com os cinco sentidos físicos ou com a mente, não existe para nós. Os sentidos são as portas através das quais encontramos o mundo, as bases de toda a experiência. E, sempre que algo entra em contato com as seis bases sensoriais, ocorre uma sensação.

 

O contato de um objeto com a mente ou com o corpo produz uma chispa de sensação. Da mesma forma, a sensação é o elo através do qual experimentamos o mundo com todos os seus fenômenos físicos e mentais. De modo a desenvolver a sabedoria adquirida pela experiência, precisamos nos tornarmos conscientes daquilo que, na realidade, experimentamos; isto é, devemos desenvolver a consciência das sensações.

 

Além disso, as sensações físicas estão intimamente relacionadas com a mente e, tal como a respiração, oferecem um reflexo do estado mental presente. Quando objetos mentais – pensamentos, ideias, imaginações, emoções, memórias, esperanças, medos – entram em contato com a mente, surgem as sensações. Cada pensamento, cada emoção, cada ação mental é acompanhada por uma sensação correspondente dentro do corpo. Por essa razão, ao observar as sensações físicas observamos também a mente.

 

Na prática de Vipassana, apenas observamos as sensações corporais. Movemos a atenção sistematicamente por toda a estrutura física, da cabeça aos pés e dos pés à cabeça, de uma extremidade à outra. Mas, enquanto isso, não se procura nenhum tipo de sensação em particular, nem se tenta evitar sensações de nenhum tipo. O fato de as sensações serem agradáveis ou desagradáveis, intensas ou sutis, uniformes ou variadas, é irrelevante na meditação.

 

A tarefa consiste simplesmente em observar de forma objetiva. Sejam quais foram os desconfortos produzidos pelas sensações desagradáveis ou a atração produzida pelas sensações agradáveis, não paramos o nosso trabalho, não nos deixamos distrair ou apanhar por qualquer sensação. O Nosso trabalho é somente o de nos observarmos com o mesmo desapego com que o cientista observa fenômenos em seu laboratório. **

Essa técnica é ensinada em retiros de dez dias, durante os quais os participantes seguem o código de disciplina recomendado, aprendem os conceitos básicos e praticam por 10 horas diárias. Ela não é ensinada comercialmente; pelo contrário, é oferecida gratuitamente e se mantém por doações de ex-alunos. Nenhuma pessoa envolvida neste ensino recebe qualquer remuneração material. Não se cobra nada pelos cursos — nem mesmo pelos custos de alimentação e alojamento.

 

Obviamente os resultados surgem aos poucos e não se pode esperar que todos os seus problemas e questões sejam resolvidos no curso. Durante esse tempo, contudo, o essencial da Vipassana pode ser aprendido de forma a ser aplicado na vida diária. Quanto mais se pratica a técnica, mais se é libertado do sofrimento, e mais se está próximo do objetivo final da libertação.

 

--

 

** Os trechos citados são do livro "Meditação Vipassana: a arte de viver segundo S.N. Goenka", de William Hart. Esse e outros livros sobre o tema podem ser adquiridos pela Editora Bhavana (se você não mora em Curitiba) ou com Rodrigo Bora (se mora em Curitiba).

 

* Mais informações sobre Vipassana, cursos de 10 dias e cursos de Anapana para crianças podem ser encontradas aqui (Brasil e o mundo todo).

"

Meditação Vipassana

 

Uma introdução sobre a prática, feita pelo próprio S.N. Goenka.

 

Tempo de Espera, Tempo de Vipassana

(Doing Time, Doing Vipassana)

 

Documentário sobre a introdução do Vipassana no Presídio de Tihar, Nova Déli, e em diversas outras prisões da Índia na década de 1990.

 

The Dhamma Brothers

 

Documentário sobre a introdução do Vipassana na prisão de Segurança máxima de Donaldson, Alabama. Essa prisão registrava o maior índice de violência entre detentos dos Estados Unidos e era conhecida como "a casa do sofrimento".